Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entenda a Palavra de Deus

Entenda a Palavra de Deus

A PRESENÇA DE DEUS _ 6

Como recuperar e conservar a presença de Deus?

Uma vez que tantos cristãos ignoram a oração, a verdadeira pergunta é: "Você quer que a presença de Deus esteja ao seu lado, de forma real?"

Porque, acredite se quiser, Israel poderia ter prosseguido para possuir tudo o que Deus havia prometido _ sem a Sua presença! Israel poderia tê-lo feito, e muitos cristãos fazem-no hoje.

Deus disse a Moisés que tomasse o seu povo e o conduzisse à Terra Prometida; também disse que um anjo os guiaria, e não Ele próprio. "Mas eu não subirei no meio de ti, porque és povo de dura cerviz, para que eu não te consuma no caminho" (Êxodo 33:3).

Pense nisso! Todas as bençãos de Deus, todos os direitos que Ele prometeu, a plena herança, mas sem a Sua presença! A presença de anjos, uma terra que mana leite e mel, mas sem a presença de Deus! Saúl perdeu a presença de Deus, entretanto o Senhor permitiu que ele derrotasse os amalequitas. Saúl venceu os filisteus. Ele ainda era o rei. Mas quão terríveis são as consequências de ser deixado fora da presença do Senhor! Nesta situação o pecado prospera, os ídolos entram e a carne toma o trono. Davi tinha visto tal coisa, de modo que clamou: "Não me expulses da tua presença, nem me retires o teu Santo Espírito."

Moisés conhecia essas consequências, por isso ele recusou-se a ir sem a presença de Deus. Ele disse-Lhe: "Se a tua presença não for connosco, não nos faças subir deste lugar. Como se saberá que achamos graça aos teus olhos, eu e o teu povo? Acaso não é por andares connosco, de modo que somos separados, eu e o teu povo, de todos os povos que há sobre a face da tera?" (Êxodo 33:15-16).

Três factos aconteceram antes que a coluna de nuvem da presença de eus voltasse: "Ouvindo o povo estas más notícias (que Deus não iria com eles), pôs-se a prantear, e nenhum deles vestiu os seus atavios. Ora, Moisés costumava tomar conta da tenda e armá-la para si, fora, bem longe do arraial. Todo aquele que buscava ao Senhor saía à tenda da congregação, que estava fora do arraial. Quando Moisés entrava na tenda, descia a coluna de nuvem" (Êxodo 33:4,7,9).

 

Examinaremos cada um dos três factos no próximo post.

Do livro: "Davi Wilkerson exorta a Igreja - Um Chamado à obediência e à Humildade"

 

A PRESENÇA DE DEUS _ 5

Perde-se a presença de Deus quando se erige um bezerro de ouro.

Deus chamou aos israelitas que se congregaram em torno do bezerro de ouro de "povo de dura cerviz". Eles representam um povo que não fica a sós com Deus, que não arranja tempo nem proporciona um lugar para a doce comunhão com Ele. Um povo do qual o Espírito e a presença de Deus se retiram é um povo que em breve se deixa consumir pela idolatria. Não devemos ridicularizar os israelitas que dançavam ao redor do bezerro de ouro. O cristãos não devem perguntar com ares de superioridade: "Como puderam descer a um nível tão baixo?" Pois o bezerro de ouro ainda está entre nós.

O que é o bezerro de ouro? É um símbolo. Ele representa um problema no íntimo do coração. Simboliza uma indiferença para com os mandamentos de Deus. Com seus actos os israelitas diziam: "Deus não tenciona dizer exactamente o que diz!" Eles nem tampouco levaram a sério as advertências divinas. Porque é que Israel se tornou tão desinteressado, tão despreocupado e sem temor à Palavra de Deus? Porque a voz profética era coisa do passado. O profeta trovejante não era visto em parte alguma. Não havia ali, no momento, nenhum homem santo de Deus para os reprovar. Apenas Arão, o sacerdote tolerante com o pecado. Moisés encontrava-se no monte com Deus.

Hoje também é assim. Nos últimos 30 anos temos presenciado um evangelho permissivo. Só recentemente apareceram profetas. Essa falta de reprovação piedosa tem produzido uma indiferença que permite ao cristão absorver toda a sujeira sem se aperceber disso, ser indiferente ao estudo da Palavra de Deus e desinteressar-se da oração. Sim, o bezerro de ouro é um espírito no povo de Deus, um espírito de indiferença.

 

A seguir: "Como recuperar e conservar a presença de Deus?"

Do livro: "Davi Wilkerson exorta a Igreja - Um Chamado à obediência e à Humildade"

 

A PRESENÇA DE DEUS _ 4

A terceira evidência da falta da presença de Deus

é uma vida de confusão, sem nenhuma orientação, sem nenhuma palavra pessoal da parte de Deus.

Uma das mais tristes passagens da Bíblia relata como Saúl buscou o conselho da feiticeira de En-Dor porque Deus se havia resusado a responder-lhe (veja 1 Samuel 28:5-20). Ouça as palavras tenebrosas de Saúl: "Deus se tem desviado de mim, e já não me responde" (v. 15). Este é o triste sinal do cristão que perdeu a presença de Deus. Ele caminha em confusão e aflição, andando daqui para lá rogando uma palavra da parte de Deus, até mesmo consultando horóscopos e astrólogos, qualquer coisa ou qualquer pessoa que alegue ser profética.

Hoje os cristãos perdem a presença de Deus do mesmo modo que Israel perdeu. Depois que Israel foi salvo do mar Vermelho e todos os seus inimigos foram derrotados, morrendo no mar, "o povo temeu ao Senhor, e confiaram no Senhor e em Moisés, seu servo" (Êxodo 14:31).

Depois de salvos, eles prometeram proporcionar a Deus uma habitação, um lugar nos seus corações para que a Sua presença estivesse sempre com eles. A nação toda prometeu, "Ele me foi por salvação. Este é o meu Deus, portanto eu o louvarei" (Êxodo 15:2).

Perde-se a presença de Deus porque não há lugar destinado a mantê-la! Israel prometeu a Deus que eles nunca se esqueceriam da hora do seu livramento, que seus corações seriam sua tenda, seu lugar de habitação, que se lembrariam disto para sempre. Isto é comunhão diária. Não foi isto que você prometeu a Deus quando Ele o salvou? Você daria e Ele todo o seu coração! Seu corpo seria o templo de Deus! Sua Palavra seria o seu deleite! Você sempre seria grato e piedoso!

Mas Israel ignorou a presença de Deus e esqueceu-se da sua Palavra. E ainda é assim hoje. O povo de Deus tem tão pouca consideração pela presença de Deus que não arranja tempo ou lugar para o seu Espírito. Raramente visitam o local secreto de oração, que é a habitação de Deus, sua tenda. Muitos citam o versículo: "Porque ele mesmo disse: Não te deixarei, nem te desampararei" (Hebreus 13:5); mas continue a leitura _ o versículo 7 traz uma ordem para dar atenção à Palavra de Deus.

"Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver." - Hebreus 13:7

 

A seguir: "O Bezerro de Ouro"

Do livro: "Davi Wilkerson exorta a Igreja - Um Chamado à obediência e à Humildade"

 

 

A PRESENÇA DE DEUS - 3

A segunda evidência da perda da presença de Deus

são as confissões frequentes e as ocasionais acções poderosas do Espírito sem que haja mudança de coração.

Saul estava sempre a confessar. sempre a dizer: "Pequei! Sinto muito!" Ele disse isso em Gilgal quando desobedeceu a Deus, poupou o melhor do gado e salvou o perverso rei Agague. Ele disse-o a Davi, depois de este se ter recusado a matá-lo na caverna: "Tu me recompensaste com bem, e eu te recompensei com mal" (1 Samuel 24:17). Saúl arrependeu-se de novo no outeiro de Haquilá depois que Davi entrou sorrateiramente no acampamento enquanto o guarda-costas de Saúl dormia e furtou a lança de Saúl e a botija de água. Então Saúl gritou: "Pequei. Volta meu filho Davi, pois não tornarei a fazer-te mal" (1 Samuel 26:21). Mas a despeito de tudo isto, o seu coração nunca mudou realmente; na realidade ficava mais empedernido depois de cada confissão.

Quando Davi fugiu para Ramá a fim de estar com Samuel e com os profetas, Saúl apareceu para matar Davi. Mas em vez disso, o Espírito veio sobre Saúl "mas o mesmo Espírito de Deus veio sobre ele, e ia caminhando e profetizando, até chegar a naiote, em Ramá. Ele despiu as suas vestes e profetizou diante de Samuel. Esteve nú por terra todo aquele dia e toda aquela noite" (1 Samuel 19:23-24).

Quando ele se aproximou do fogo de Deus, entre pessoas santas, o Espírito de Deus feriu-o como raio. Era assombroso! Todo o dia, e toda a noite, pronunciamentos proféticos, louvando a Deus. Mas depois que se levantou, voltou de imediato aos seus caminhos obstinados.

Quantos cristãos são assim! De quando em quando Deus actua sobre eles; então choram e prometem a Deus que as coisas vão mudar. Deus dá-lhes uma temporada de refrigério e fim de os atraír para Si, para reverter o pecado. Mas nunca se transformam. Não se entregam a uma vida de devoção. Não estudam a Bíblia. Não oram. A presença de Deus não permanece com eles. Só de quando em quando experimentam a verdadeira acção do Espírito de Deus sobre eles.

 

A seguir: "A terceira evidência da perda da presença de Deus"

Do livro: "Davi Wilkerson exorta a Igreja - Um Chamado à obediência e à Humildade"

 

 

 

FELIZ NATAL!

Feliz Natal!
No Natal, o cristão, olha para manjedoura e vê:  As profecias se cumprindo!  O milagre da encarnação sendo realizado.  Jesus vivendo uma vida perfeita (sem nenhum pecado).  Jesus pregando o arrependimento para com Deus.  Jesus ...morrendo por nossos pecados. Jesus ressuscitando com poder e grande glória! Quando o Cristão pensa no Natal, ele pensa no grande amor de Deus que enviou "Seu único Filho" para resolver nosso pior problema — o pecado!

A PRESENÇA DE DEUS - 2

"O QUE ACONTECE A UM FILHO DE DEUS QUANDO A SUA PRESENÇA SE RETIRA?"

 

Há três evidências terríveis.

A primeira é melancolia, espírito deprimido.

O Espírito de Deus retirou-se de Saúl porque ele se recusou a obedecer à ordem do Senhor. Saúl recebeu ordens para nada fazer antes que Samuel viesse a Gilgal a fim de buscar a Deus e oferecer sacrifícios; mas Saúl ficou impaciente e tentou solucionar a questão por suas próprias mãos. Por isso Deus o deixou "porquanto não guardaste o que o Senhor te ordenou" (1 Samuel 13:14). Ele não foi sério com respeito à Palavra de Deus.

Então caíu sobre ele um espírito de inveja e de ciúmes, e ele tornou-se inseguro. As multidões cantavam: "Saúl feriu os seus milhares, porém Davi os seus dez milhares ... Daquele dia em diante, Saúl trazia Davi sob suspeita ... No dia seguinte um espírito maligno da parte de Deus se apoderou de Saúl", ele teve uma crise de loucura dentro de casa (1 Samuel 18:7-10). O original hebraico diz: "O espírito de melancolia enviado por Deus veio sobre Saúl, e ele fingiu profetizar dentro de casa..." A palavra é realmente "Fúria!" Saúl andava pela casa, furioso, quebrando as coisas num acesso de raiva. Parecia um louco! Saúl arremessou sua lança contra Davi, tentando matá-lo. "Saúl temia a Davi, porque o Senhor era com este e se tinha retirado de Saúl" (1 Samuel 18:12)

Não há nada pior que se possa dizer de um filho de Deus do que: "a presença do Senhor retirou-se dele".

No lugar da presença de Deus vem a desesperança, o vazio, e isso causa repentina irritação, acessos de mau humor, ciúmes, inveja e medo. Este espírito de melancolia que se apoderou de Saúl fê-lo crer que os outros o perseguiam, que todos conspiravam contra, que ninguém o amava e ninguém se compadecia dele. "Todos vós tenhais conspirado contra mim? Ninguém houve que me desse aviso de que meu filho fez aliança com o filho de Jessé, e não há ninguém dentre vós que se doa de mim" (1 Samuel 22:89. Ele agora não confiava em seu próprio filho.

E num dia negro de infâmia, Saúl ordenou a execução de Nobe, cidade de um sacerdote, incluindo mulheres, bebés e crianças; Saúl tornou-se um maquinador, um manipulador de pessoas. Seu lar estava dividido e em confusão. Ele não conseguia dormir à noite, sempre inquieto.

Há uma depressão causada pela falta de determinada substância no cérebro, que é um problema estritamente médico. Mas grande parte da depressão entre o povo de Deus deve-se à retirada do Espírito de deus por causa da desobediência. À semelhança de Saúl, recusam-se a levar Deus a sério. E como Saúl, tornam-se irritáveis, ciumentos, invejosos, manipuladores e destestáveis.

 

A seguir: "A segunda evidência da perda da presença de Deus"

Do livro: "Davi Wilkerson exorta a Igreja - Um Chamado à obediência e à Humildade"

 

A PRESENÇA DE DEUS - 1

"O PERIGO DE A PERDER _ COMO PERDÊ-LA _ COMO RECONQUISTÁ-LA!"

 

Davi cometeu adultério com Bate-Seba, "... porém isto que Davi fizera, desagradou ao Senhor" (2 Samuel 11:27).

Bate-Seba tornou-se raínha, e Davi foi cuidar dos seus deveres reais. Um dia, talvez enquanto estava numa importante sessão de assuntos do governo com embaixadores estrangeiros, alguém se aproximou do rei e cochichou: "Senhor, o profeta Natã está aí. Ele está impaciente e insiste em vê-lo imediatamente. Diz ele que é um assunto de vida ou morte!"

Posso imaginar Davi ficando lívido, o sangue fugindo do seu rosto, incapaz de se mexer, paralisado de medo. Seus pensamentos correram: "Oh não! Ele sabe! Ele deve saber! Ele é profeta! Deus deve ter-lhe falado a respeito do meu caso secreto com Bate-Seba! Ele deve saber que Urias não morreu por acidente; sabe que o mandei para a morte! Está tudo acabado! Estou liquidado. Arrasado! Ele vai desmascarar-me!"

Logo Davi despediu a todos. Respirou lenta e profundamente e deu instruções ao servo: "Conduza Natã aos meus aposentos particulares." E de repente, lá está o profeta com olhos profundos, penetrantes, Natã, o santo homem de Deus. Davi deixa-se cair numa cadeira, branco como um fantasma. "Deus o abençoe, Natã. Em que posso ser-lhe útil? Diga-me!"

Natã começa a contar a Davi o terrível pecado de um homem rico que roubou uma cordeirinha. Davi sente-se aliviado! "Ele não sabe! Ele não está aqui para me desmascarar! Ele está ocupado demais com o pecado de outra pessoa!"

Davi é todo ouvidos agora e responde: "Natã, você que dizer que esse homem rico tremendamente egoísta tinha muitas ovelhas e gado, mas quando chegou alguém e ele necessitava de carne para a sua mesa, roubou a única cordeirinha de um vizinho pobre? E essa cordeirinha era amada pela família, vivia em sua casa, brincava com as crianças, dormia com elas? E este rico, ganancioso, roubou essa cordeirinha? Não é possível, Natã; tão certo como Deus vive, matarei esse homem. Que coisa terrível! Vou fazê-lo restituir quatro vezes mais o valor da cordeirinha. Não se preocupe. Vou dizer ao meu capitão que me traga esse homem agora mesmo. Como se chama ele, Natã? Diga-me. Quem é ele?"

Natã volta-se de maneira abrupta, olha Davi nos olhos, aponta-lhe o dedo, e diz: "Tu Davi. Tu és o homem! Tu roubaste Bate-Seba! Tu és o assassino egoísta!"

Davi perde a fala. O terror apodera-se do seu coração, enquanto Natã clama: "porque desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o mal diante dos seus olhos?" (2 Samuel 12:9). Então vieram estas pavorosas palavras: "Eu suscitarei da tua própria casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei ao teu próximo" (2 Samuel 12:11). Davi clama: "Pequei contra o Senhor" (2 Samuel 12:13).

Davi está terrificado, não por causa da profecia de Natã de que ele perderia as suas mulheres. Não, Davi lembrava-se do que aconteceu com Saúl em virtude do pecado e da rebelião. Davi tinha visto aquele grande homem de Deus desmoronar-se; ele tinha-o vito cair em estado de loucura quando a presença de Deus se retirou. Ele chorara diante da visão de um homem de Deus, outrora poderoso, amaldiçoar, viver em temor, sem esperança. Davi sabia como era o fim de um homem que perde a presença de Deus. Ele tinha visto o espírito mau que possuiu Saúl.

Por isso Davi clamou: "o meu pecado está sempre diante de mim... Cria em mim ó Deus um coração puro, e renova em mim um espírito reto... Não me lances fora da tua presença, não retires de mim o teu Espírito Santo" (Salmo 51:3; 10,11).

 

Se os cristãos levassem a sério a experiência de Saúl, clamariam ao Senhor como fez Davi: "Cria em mim ó Deus, um coração puro ... não retires de mim o teu Espírito!"  Saúl é um retrato trágico do cristão que perdeu a santa presença de Deus.

 

Do livro: "David Wilkerson exorta a Igreja"

Capítulo: A Presença de Deus

 

POR QUE SOFREM OS JUSTOS? - 8

"DEUS LIVRA QUANDO A SUA VONTADE É REALIZADA."

Como é que o Senhor livra os que clamam a Ele?

É certo que ninguém duvida de que Deus pode deter todo o nosso sofrimento, toda a nossa dor, toda a nossa aflição, apenas proferindo uma palavra.

Ele poderia enviar uma legião de anjos, um exército dos céus. Sabemos que há um anjo acampado ao redor de cada um de nós que cremos. Mas um Deus Todo-Sábio não nos deixaria sozinhos na fornalha, caminharia connosco, e sentiria pesar se nós o deixássemos. Ele não nos abandonaria antes de realizar a Sua vontade. Do contrário, tudo teria sido em vão. Ele não nos poupa por causa do nosso choro. Paulo fala de "sermos entregues à morte", de sorte que possa surgir a vida. "E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também em nossa carne mortal" (2 Coríntios 4:11).

É aqui onde temos confundido o significado de livramento: nem sempre somos libertados pelo afruxar do sofrimento,mas às vezes por sua intensificação, de sorte que Deus possa apressar nossa libertação através da nossa morte frente a este mundo. Somos libertos quando morremos para a carne!

Você clamou a Deus por livramento? A tribulação aumentou em vez de diminuir? As coisas estão a piorar, e não a melhorar? Regozige-se!

Você está prestes a ser entregue à morte! Está pronto a perder toda a sua luta, próximo de morrer para a sua vontade.

O livramento não se efectua através da resignação, mas mediante a ressurreição.

Davi disse: "Em ti confiaram nossos pais; confiaram e tu os livraste" (Salmo 22:4). Ele está falando aqui de Israel junto ao mar Vermelho, com o exército de Faraó vindo atrás deles. Como foi que Deus os livrou? Suprimindo o problema? Não, enquanto eles não entraram no mar Vermelho não houve livramento! Este é um tipo de morrer para o mundo.

Jesus tornou-se o nosso libertador ao ser o primeiro entregue à morte. "Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como não nos dará também com ele todas as coisas?" (Romanos 8:32). Não constitui bom testemunho poder dizer: "Deus deu-me fé especial _ falei a Palavra _ e todas as minhas aflições e sofrimentos tiveram um paradeiro! Louvado seja Deus porque estou livre de toda a dor e aflição!"  É melhor poder dizer: "Não importa o que estará pela frente _ não importa qual a provação ou aflição _ Deus tem-se mostrado fiel. Da morte Ele produziu vida. Nenhuma dessas aflições pode mudar-me agora.

Ainda que Ele me mate, n'Ele esperarei."

 

FIM

David Wilkerson

 

POR QUE SOFREM OS JUSTOS? - 6

"VOCÊ DEVE DECIDIR SE PERMITIRÁ QUE OS SEUS SOFRIMENTOS O PREPAREM E FORTALEÇAM, OU O DESTRUAM."

 

E já vos esquecestes da exortação que vos admoesta como filhos: "Filho meu, não desprezes a correcção do Senhor, e não desmaies quando por ele fores repreendido, porque o Senhor corrige a quem ama, e açoita a todo o que recebe por filho. É para disciplina que suportais a correcção; Deus trata-vos como a filhos. Pois que filho há a quem o pai não corrige? Mas se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos. Além disto, tivemos nossos pais segundo a carne, os quais nos corrigiam, e os respeitávamos. Não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, e viveremos? Aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. Na verdade, nenhuma correcção parece no momento ser motivo de gozo, mas de tristeza. Contudo, depois produz um fruto pacífico de justiça nos que por ela têm sido exercitados. Portanto, levantai as mãos cansadas, e os joelhos vacilantes, e fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que é manco não se desvie inteiramente, antes seja curado. Segui a paz com todos, e a santificação; sem a santificação ninguém verá o Senhor. Tende cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raíz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem" (Hebreus 12:5-15).

 

Tudo compete a você: ou você permite que o seu sofrimento se torne uma escola de empatia para ajudar os outros _ ou ele se tornará numa escola de morte que te destruirá e contaminará a muitos outros que recorreram a si.

Algumas pessoas que lêem estas palavras podem estar agora a suportar grandes sofrimentos, creia que é porque você está está a ser disciplinado pelo Senhor. Ele está a corrigi-lo com grande amor, tentando abrandar seu coração para produzir a santidade divina em si _ quebrar a sua vontade obstinada. Mas ainda que o seu sofrimento seja resultado de disciplina, Deus diz que é para seu aproveitamento, e depois produzirá o fruto pacífico de justiça se você estiver disposto a ser treinado por Ele.

Se uma raíz de amargura brotar, ela destruirá e contaminará.

Há, porém, um meio de arrancar esta raíz, de deter a contaminação: encoraje-se no Senhor. "Levantai as mãos cansadas, e os joelhos vacilantes, e fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que é manco não se desvie inteiramente, antes seja curado" (Hebreus 12:12-13). Este é um chamado para que você desperte, se livre da apatia, volte a servir a Deus e a confiar n'Ele, que prossiga em linha recta e seja curado _ do contrário, se instalará a apostasia total. Livre-se de todo o pensamento de desestímulo. Traga em cativeiro todo o pensamento que vise abrandar sua total obediência ao Senhor.

Não é a aflição ou o sofrimento em si mesmo que nos ensina. Muitas pessoas boas não têm aprendido nada nas suas dificuldades. Algumas até têm perdido terreno com Deus. Antes, é o sofrimento entendido e a aflição aceita como procedentes da mão do Senhor.

A mente natural irrita-se e fica deprimida por qualquer tipo de sofrimento e aflição. Assim, a menos que entendamos que Deus o permite e tem um propósito de treinamento nisso tudo, o sofrimento e a aflição só impedirão o crescimento espiritual. Davi disse: "No dia da minha angústia busquei o Senhor" (Salmo 77:2). Essa é a finalidade: separar-nos do amor deste mundo e levar-nos a Jesus para receber ajuda. Davi disse também: "Antes de ser afligido andava errado, mas agora guardo a tua palavra" (Salmo 119:67).

Deus conhece-o a si e a mim! Ele permite que nos venham aflições, dizendo: "Você é o tipo de pessoa que se esquece de mim quando os tempos são favoráveis. Negligencia-me quando tudo vai bem. Eu amo-o demais para o perder para o Diabo. Eu o despertarei por meio da aflição, para o lembrar como a vida é breve, e fazer com que você dependa de mim."

Deixe-me dar-lhe alguns bons argumentos para os usar contra o Diabo:

 

1) Cristo sofreu imensamente na carne _ e Ele era perfeito!

2) Paulo e todos os nossos pais da igreja sofreram grandes aflições _ e Deus amava-os sobremaneira.

3) Em vez do sofrimento ser sinal do desagrado de Deus, é um sinal de que você é seu filho _ a quem Ele ama, e disciplina.

4) Toda a aflição tem em mira meu benefício e crescimento espirituais, e serve para me equipar com a simpatia que outros precisarão quando se acharem em necessidade.

5) A situação pode ser aflitiva e dolorosa _ posso chorar e sentir dor _ mas depis, se eu a apreender, produzirá fruto de santidade.

 

CONTINUA

David Wilkerson

 

 

Pág. 1/2