Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entenda a Palavra de Deus

Entenda a Palavra de Deus

União/Desunião _ Onde devemos traçar a linha dos limites?

_ Onde devemos traçar a linha dos limites?

_ Quando é que sabemos se uma doutrina é digna de ser defendida?

É certo que concordaríamos que as diferenças no entendimento de uma profecia não é razão para proclamarmos “heresia”.

Eu cresci com o ensino de que a Igreja será arrebatada antes do período da Tribulação. Porém, muitos dos meus amigos, que crêem na Palavra de Deus tão profundamente como eu, estão convencidos de que Igreja passará pela Tribulação (embora eu tenha a certeza de que eles têm o desejo secreto de estar errados!!). Sou eu herege? São eles hereges? Não! De forma alguma. Precisamos de equilíbrio.

 

De um lado, há aqueles que traçam e círculo doutrinário tão estreitamente que se afastam de todos aqueles que não são exactamente um clone deles. Outros insistem que todos deviam usar a mesma tradução da Bíblia e há aqueles que acreditam que só aqueles que se agarram a alguma forma de teologia da “segunda bênção” estão verdadeiramente cheios do Espírito Santo. Não vejo nenhum problema nestas crenças desde que se compreenda que não são os fundamentos não são (ou não deveriam ser) questões que levam os verdadeiros cristãos a afastar-se uns dos outros. Há cristãos que seguem o pensamento calvinista, com a sua ênfase na predestinação e na soberania de Deus; outros têm mais afinidade com o arminianismo, com a sua ênfase no livre arbítrio. Todavia, insisto, estas não devem ser questões capazes de separar os cristãos regenerados.

 

O que é heresia?

A Bíblia usa a palavra heresia e herege em dois sentidos. Paulo disse que as facções eram “heresias”, ou seja, “partidos” (vê 1 Coríntios 11:9 ARA). Alguns desses partidos estão entre os crentes; definido deste modo, o crente carnal que se recusa a aceitar a verdade revelada pode ser chamado de herege.

Creio que foi assim que Paulo usou a palavra em Gálatas 5:1920, quando disse que “heresias” (RC), ou “facções” (ARA), são obra da carne.

Noutro lugar, o apóstolo disse que o “homem herege” (RC), ou o “homem faccioso” (ARA), ou “aquele que provoca divisões” (NVI), se perverteu e está em pecado (Tito 3:1011). O segundo uso da palavra diz respeito àqueles que mantêm sérias divergências doutrinárias. Pedro fala de “heresias destruidoras”, que negam que Jesus é Deus (2 Pedro 2:1, ARA).

 

Estes são mestres que negam as doutrinas básicas da fé, e é deste modo que usamos a palavra hoje. Robert Bowman, em Orthodoxy and Heresy (Ortodoxia e Heresia), diz que heresia é “o ensino que se opõe directamente aos princípios básicos da fé cristã, de maneira que os verdadeiros cristãos têm de se separar daqueles que o defendem”.

 

Os cristãos podem tornar-se hereges?

 

Certamente podem ser chamados hereges de acordo com a primeira definição dada acima. E é comum os cristãos defenderem ideias heréticas, quer por ignorância quer por rebelião pessoal. Há alguns exemplos de pessoas que professavam a fé evangélica e que se desviaram para a destruir, quer pelo estilo de vida quer pela defesa de mitos e tradições que minam a fé que outrora defendiam. Estes também são hereges.

 

Baseado no livro: "Quem é você para julgar?"

Erwin W. Lutzer

 

17923046_Rcsni.jpg