Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entenda a Palavra de Deus

Entenda a Palavra de Deus

Santinhos de pau oco? Ou… Santos?

Num mundo divorciado de Deus, que se deleita no pecado, o conceito de santidade passou a ser pejorativo.
Quando alguém defende os valores divinos, é imediatamente tachado de “santinho”, “santarrão”, “santo-de-pau-carunchoso”, etc. E, o mais incrível, é ver crentes a afirmar: “Eu não sou santo nenhum, mas…”.

 

Claro que, como sempre digo, cada um fala por si. E, se um crente se desculpa perante outro crente ou mesmo perante um incrédulo dizendo que “não é santo”, ele lá saberá do que fala e, precisa rever qual é a sua fé. A Palavra de Deus é muito clara quando afirma: “ [sem] santificação, […] ninguém verá o Senhor;” (Hebreus 12:14).

 

A santidade é algo que Deus realiza nos Seus filhos: “nos elegeu nele [em Cristo] antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis […]; (Efésios 1:4), “temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez.” (Hebreus 10:10). A santidade é muito mais do que apenas amar a Deus e ao nosso próximo; ela também envolve aversão.


Esta aversão ao pecado é um elemento básico inerente aos santos. Os que amam a Deus sentem repugnância e aversão pelo pecado “Mas o que pecar contra mim violentará a sua própria alma;” (Provérbios 8:36). Como filhos de Deus, no processo contínuo de santificação que o Seu Espírito opera em nós, devemos cultivar uma atitude que sempre vê o pecado como algo terrível que é cometido contra Deus “Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista,” (Salmos 51:4).

 


Conceitos inferiores e distorcidos do pecado colhem conceitos inferiores e distorcidos de santidade. Como escreveu J. C. Ryle: “Conceitos errados sobre a santidade em geral são identificáveis com conceitos errados sobre a corrupção humana. Se uma pessoa não compreende a perigosa natureza das enfermidades da sua alma, não é surpresa se ela se contentar com remédios falsos ou imperfeitos.” Cultivar a santidade demanda a rejeição do orgulho da vida e das concupiscências da carne.”

 

Falhamos quando não vivemos com as nossas prioridades centradas na Palavra de Deus, na Sua vontade e na Sua glória.


“A santidade não consiste em especulações místicas, fervores entusiásticos, ou austeridades não ordenadas; ela consiste em pensar como Deus pensa e querer com Deus quer.” - John Brown

 

10047-4326-Sede-Santos-Porque-Eu-Sou-Santo-4326-10

 Baseado no que li no livro:

Espiritualidade Reformada - Joel Beeke