Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entenda a Palavra de Deus

Entenda a Palavra de Deus

O indivíduo beneficia espiritualmente quando a Palavra o leva a praticar o contrário do pecado."

 

"... o pecado é a transgressão  da lei" (1 João 3 :4)

 

Deus diz: "Farás...", mas o pecado retruca: "Não  quero". Deus diz: "Não farás...", e o pecado diz: "Farei".

Assim, pois,  o pecado é rebeldia contra Deus, é a determinação do indivíduo em seguir  o seu próprio caminho "Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos." (Isaías 53:6).

Isso capacita-nos a  entender que o pecado é uma espécie de anarquia no campo espiritual, que pode ser comparado com o acto de sacudir uma bandeira vermelha no  rosto de Deus. Ora, a atitude oposta ao pecado contra Deus é a submissão  a Ele, da mesma maneira que o contrário da iniquidade é a sujeição à  lei. Portanto, praticar o contrário do pecado é andar na vereda da  obediência.

Esta é uma das outras grandes razões pelas quais as  Escrituras nos foram dadas: tornar conhecida a senda pela qual devemos  andar e que agrada a Deus. As Escrituras são proveitosas não somente  para repreensão e correcção, mas também para a "instrução na justiça".

Neste ponto, pois, encontramos outra importante regra mediante a qual  devemos testar frequentemente a nós mesmos:

_ Os meus pensamentos estão  a ser formados?

_ O meu coração está a ser controlado?

_  E a minha conduta? E  as minhas obras? estão a ser regulamentadas pela Palavra de Deus?

Eis o  que o Senhor exige: "Tornai-vos, pois, praticantes da palavra, e não  somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos" (Tiago 1:22).

E aqui temos  a declaração de como devem ser expressos a nossa gratidão e os nossos  afetos por Cristo: "Se Me amais, guardareis os Meus mandamentos" (João  14:15). Para tanto, é necessário a ajuda divina. Davi orava: "Guia-me  pela vereda dos teus mandamentos, pois nela me comprazo" (Salmos  I19:35).

"Precisamos não somente de luz para reconhecermos o nosso  caminho, mas também de um coração disposto para andar por esse  caminho. A orientação é necessária por causa da cegueira das nossas  mentes; e os impulsos eficazes da graça são necessários par causa da  fraqueza dos nossos corações. Não cumpriremos o nosso dever mediante a  mera noção das verdades, a menos que as abracemos e as sigamos".  (Manton).

Notemos que quando o salmista falava sabre a "... vereda dos Teus  mandamentos..." Não aludia a um qualquer caminho pessoal, auto-escolhido,  mas sim, a um caminho bem demarcado; não se trata de uma estrada  "pública", mas de uma vereda "particular".

Que tanto o escritor  como o leitor se examinem, honesta e diligentemente, como na presença  de Deus, em relação às sete coisas acima enumeradas.

_ O estudo da Bíblia, tem te uma pessoa mais humilde, ou mais orgulhosa?

_ Orgulhosa com o conhecimento que  adquiriu?

_ Esse estudo elevou-o na  estima de seus semelhantes? ou rebaixou-o a um lugar inferior, na  presença de Deus?

_ Isto produz em si, em sua experiência, uma atitude da mais profunda repulsa e asco par si mesmo, ou tornou-o mais  complacente?

_ Isto tem feito com que aqueles que entram em contacto  consigo, aos quais talvez você ensine, digam: "Gostaria de ter o seu  conhecimento sobre a Bíblia!"; ou será que os tem levado a orar: "Senhor,  dá-me a fé, a graça e a santidade que tens conferido a meu amigo ou  professor?'' "Medita estas cousas, e nelas sê diligente, para que o teu  progresso a todos seja manifesto" (1 Timóteo 4:15)?

 

Extraido do livro de A. W. Pink Enriquecendo-se Com a Bíblia, Ed. Fiel, 1979.