Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entenda a Palavra de Deus

Entenda a Palavra de Deus

Nunca é Contra a Nossa Vontade

Nunca é Contra a Nossa Vontade

 

Tudo o que temos aprendido até aqui, deve deixar evidente que a graça irresistível nunca significa que Deus nos força a arrepender-nos, ou a crermos, ou a seguirmos Jesus, contra a nossa vontade. Isso seria uma contradição, porque o crer, o arrepender-se e o seguir a Jesus são sempre espontâneos, pois, do contrário, seriam hipocrisia. A graça irresistível não arrasta o indisposto para o reino; ela muda a disposição do seu coração. Ela não opera com constrangimento a partir do exterior, com algemas e cadeias. Ela opera com poder a partir do interior, como nova sede, nova fome e um desejo impulsionador.

Portanto, a graça irresistível é compatível com a pregação e o testemunho que tentam persuadir as pessoas a fazerem o que é sensato e está em harmonia com os seus melhores interesses. Deus usa o ministério da Palavra para realizar essas mudanças sobrenaturais no coração. E são essas mudanças que produzem o arrependimento e a fé.

Paulo escreveu em 1 Coríntios 1:23-24: “Nós pregamos  Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gregos; mas para os que foram chamados , tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus”.  Note os dois tipos de “chamados” implícitos no texto:

 

Primeiro, a pregação de Paulo foi dirigida a todos, tanto judeus como gregos. Isto é um tipo de chamada geral do evangelho. Oferece salvação imparcial e indiscriminadamente a todos. Todo aquele que crer no Cristo crucificado tê-lo-á como Salvador e Senhor. Mas, com frequência,  esta chamada geral cai em ouvidos não receptivos e é designada como loucura.

 

Observe, porém, que em segundo lugar, Paulo referiu outro tipo de chamada. Ele disse que, entre aqueles que ouviram, judeus e gregos, foram “chamados” de outra maneira. “Mas para os que foram chamados , tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus” (v. 24). Em outras palavras: eles foram chamados de uma maneira que não consideravam a cruz como loucura, mas como a sabedoria e o poder de Deus.

 

Algo aconteceu nos seus corações que mudou a maneira como viram a Cristo. Descrevemos isto não como a chamada geral, mas sim como a chamada eficaz de Deus. É semelhante à chamada de Lázaro para fora do sepulcro. Jesus chamou-o em alta voz: «Lázaro, vem para fora» (João 11:43). E o morto levantou-se e saiu. Esse tipo de chamada cria aquilo que ordena. Se diz: “Vive!”, ele cria a vida. Se diz: “Arrependa-se!”, ele cria o arrependimento. Se diz: “Creia!”, ele cria a fé. Se diz: “Siga-me!”, ele cria a obediência.

Paulo diz que todos aqueles que são chamados neste sentido não consideram mais a cruz como loucura, e, em vez disso, consideram-na como o poder de Deus. Não vêm a Cristo por coerção. Agem livremente, com base no que valorizam como infinitamente precioso. Isso é o que acontece com eles. A sua resistência à cruz foi vencida porque a chamada de Deus rompeu a sua cegueira espiritual e fez-lhes ver a cruz como sabedoria e poder. Isto é o que pretendemos dizer com graça irresistível.

 

O Senhor Abriu-lhe o Coração

 

Outro exemplo desta obra está em Atos 16:14, que nos informa que Lídia ouvia a pregação de Paulo. Lucas disse: “O Senhor lhe abriu o coração para atender à coisas que Paulo dizia”. A menos que Deus abra o nosso coração, não ouvirmos a verdade e a beleza de Cristo na mensagem do evangelho. Este abrir o coração é o que queremos dizer com graça irresistível. Ela vence a resistência obstinada, da cegueira para a beleza e da surdez para a bondade das boas novas.

 

Outra maneira de a descrever é “novo nascimento” ou “ser nascido de novo”. O novo nascimento é uma criação miraculosa de Deus, que capacita uma pessoas anteriormente “morta” a receber a Cristo e, assim, ser salva. Não produzimos o novo nascimento por meio da nossa fé. Deus produz a nossa fé por meio do novo nascimento. Observe a maneira como João expressa este relacionamento: “Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus” (1 João 5:1). Isto significa que ser nascido de Deus vem em primeiro lugar e crer é o passo seguinte. Crer em Jesus não é a causa de nascermos de novo; é a evidência de que  “nascemos de Deus”.

 

Do livro: 5 Pontos

John Piper

Próximo post:Expiação Limitada - Introdução

 

Reflexão-11.jpg