Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entenda a Palavra de Deus

Entenda a Palavra de Deus

Na sua rebelião total, tudo o que o homem faz é pecado.

Em Romanos 14:23, Paulo diz: “Tudo o que não provém de fé é pecado”.

Portanto, se todos os homens estão em rebelião total, tudo o que eles fazem é o produto da rebelião e não pode ser uma honra para Deus, mas sim parte da rebelião dos homens. É claro que muitos destes  actos que fluem da incredulidade interior se conformam exteriormente com a vontade revelada de Deus (por exemplo: obedecer aos pais e falar a verdade). Todavia, eles não se conformam com a vontade perfeita de Deus por causa da mera conformidade exterior. Todas as coisas devem ser feitas em amor, diz o apóstolo (1 Coríntios 16:14), mas o amor de que o apóstolo fala é o fruto da fé (Gálatas 5:6; 1 Timóteo 1:5). Por essa razão, muitos actos exteriormente bons procedem de corações sem a fé que exalta a Cristo e, por conseguinte, sem amor e sem conformidade com o mandamento de Deus. Portanto, esses actos são pecaminosos.

 

Se um rei ensina aos seus súbditos como lutar bem, e, depois, esses súbditos se rebelam contra o seu rei e usam a mesma habilidade que ele lhes ensinou para lhe resistir, então, essas habilidades, por mais excelentes, admiráveis e boas que sejam, tornam-se más.

 

Logo, muitas coisas que o homem é capaz de fazer, ele só as faz porque foi criado à imagem de Deus. Coisas que são louváveis quando usadas ao serviço de Deus, se estiverem a serviço da rebelião  auto-justificadora do homem, são pecaminosas. Poderemos louvá-las como ecos da excelência de Deus, mas lamentá-las-emos quando forem corrompidas em propósitos que ignoram Deus.

Em Romanos 7:18, Paulo diz: “Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum”. Isto é  uma confissão radical da verdade de que, na nossa rebelião, não podemos pensar ou sentir nada que seja bom. Isso faz parte da nossa rebelião. O facto de Paulo ter qualificado a sua depravação com as palavras “isto é, na minha carne”, mostra que ele estava disposto a afirmar o bem de tudo o que era produzido nele pelo Espírito de Deus (Romanos 15:18).

“Carne” refere-se ao homem no seu estado natural, sem a obra do Espírito de Deus. Portanto, o que Paulo estava a dizer em Romanos 7:18 era que, sem a obra do Espírito de Deus, tudo o que pensamos, sentimos e fazemos não é bom.

 

O Bem que Realmente Importa

 

Reconhecemos que a palavra “bem” tem uma grande variação de significados. Teremos de a usar num sentido restrito para nos referirmos a muitas acções de pessoas caídas que, em relação a Deus, não são realmente boas.

Por exemplo: temos de dizer que é bom o facto de que a maioria dos incrédulos não matarem e de alguns realizarem actos de benevolência. O que pretendemos dizer quando chamamos boas a essas acções é que elas se conformam mais ou menos ao padrão externo de vida que Deus ordena na Escritura.

No entanto, essa conformidade exterior à vontade revelada de Deus não é justiça em relação a Deus. Não é praticada como fruto da confiança n’Ele nem para a Sua glória; os que a praticam não confiam em Deus como sua fonte de recursos, embora Ele lhe dê tudo. E a honra de Deus não é exaltada, embora essa seja a Sua vontade em todas as coisas (1 Coríntios 10:31).

Por conseguinte, até mesmo esses actos “bons” são parte da nossa rebelião, e não são “bons”, em última análise, no sentido que realmente importa _ em relação a Deus.

 

Amanhã: A Incapacidade do Homem para Se Submeter a Deus e Fazer o Bem é Total

 

Do Livro: 5 Pontos

John Piper