Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entenda a Palavra de Deus

Entenda a Palavra de Deus

Livre Arbítrio ou Soberania Divina?

O que é que Deus nos revela na Sua Palavra quanto ao Seu domínio sobre as obras das Suas mãos, especialmente, sobre aqueles que originalmente foram criados à Sua imagem e semelhança?

 

“Nele vivemos, e nos movemos, e existimos” (Atos 17:28)

Estas palavras não foram dirigidas à igreja, mas sim a um auditório pagão. A pessoas que adoravam o “Deus Desconhecido” e que zombaram quando ouviram falar da ressurreição dos mortos. Paulo não hesitou em afirmar perante os filósofos atenienses que todos viviam, se moviam  existiam em Deus, isto é: eles não apenas deviam a sua existência e preservação àquele que criou o mundo e tudo o que nele há, mas que até as suas acções estavam debaixo da supervisão de Deus, e eram, portanto, controladas por Ele  tal e qual como o ímpio Belsazar, a quem Daniel diz: "E te levantaste contra o Senhor do céu, pois foram trazidos à tua presença os vasos da casa dele, e tu, os teus senhores, as tuas mulheres e as tuas concubinas, bebestes vinho neles; além disso, deste louvores aos deuses de prata, de ouro, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não vêem, não ouvem, nem sabem; mas a Deus, em cuja mão está a tua vida, e de quem são todos os teus caminhos, a ele não glorificaste." (Daniel 5:23).

 

A Palavra de Deus diz-nos:

“O “homem” pode fazer planos, mas a resposta certa vem dos lábios do SENHOR” (Provérbios 16:1).  Esta declaração não se aplica apenas aos crentes, mas sim ao “homem” em geral, à humanidade.

 

“O coração do homem traça o seu caminho, mas o SENHOR lhe dirige os passos” (Provérbios 16:9). Ora, se é o Senhor que dirige os passos do homem, isso não significa que o homem é dominado e controlado por Deus?

 

“Muitos propósitos há no coração do homem, mas o desígnio do SENHOR permanecerá” (Provérbios 19:21). Será que esta afirmação significa que, sejam quais forem os desejos e os planos do homem, a vontade de Deus será sempre executada?

 

Conheces a parábola do rico insensato? Ele propunha no seu coração: “[…] Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? E disse: farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstrui-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens. Então, direi à minha alma: Tens em depósito muitos bens para muitos anos: descansa, come e bebe, e regala-te”. Estes eram os propósitos do coração do homem, mas… Foi o desígnio do SENHOR que prevaleceu. O “farei” do rico insensato foi reduzido a nada, porque Deus disse-lhe: “Louco, esta noite pedirão a tua alma” (Lucas 12:16-21).

 

“Como ribeiros de águas, assim é o coração do rei na mão do SENHOR; este, segundo o seu querer, o inclina” (Provérbios 21:1). Poderá haver algo mais evidente? Do coração, “procedem as fontes da vida” (Provérbios 4:23), e, conforme o homem “imagina em sua alma, assim ele é” (Provérbios 23:7).

Ora, se o coração do homem está na mão do SENHOR e se é Ele que o inclina segundo o seu querer, é claro que os homens, sim, os governantes e os reis _ todos os homens, estão sob o governo do Deus Todo-Poderoso.

 

Limitar as declarações acima é perigoso! Insistir que a vontade dos homens [livre-arbítrio] consegue impedir o pleno exercício da vontade divina e subverter o conselho de Deus, é repudiar estes e outros textos da Bíblia tão claros como estes. Não podemos impor o nosso “livre-arbítrio” à Palavra de Deus e mutilá-la de verdades tão claras como estas:

 

“Mas se ele [Deus] resolveu alguma coisa, quem o pode dissuadir? O que ele deseja, isso fará” (Jó 23:13).

“O conselho do SENHOR dura para sempre, os desígnios do seu coração por todas as gerações” (Salmos 33:11).

“Não há sabedoria, nem inteligência,  nem mesmo conselho contra o SENHOR” (Provérbios 21:30).

“Porque o SENHOR dos Exércitos o determinou, quem, pois, o invalidará? A sua mão está estendida; quem, pois, o fará voltar atrás?” (Isaías 14:27).

“Lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade; que eu sou Deus e não há outro, eu sou Deus e não há outro semelhante a mim; que desde o princípio anuncio o que há-de acontecer e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade” (Isaías 46:9-10).

 

Não há ambiguidade na Palavra de Deus. Se realmente lemos as Escrituras, e não descobrimos nelas  que as acções dos homens, boas ou más, são governadas pelo SENHOR, estamos a lê-las em vão. Senão vejamos:

 

_ Ninrode e os seus companheiros resolveram (livre-arbítrio) erigir a torre de Babel, mas, antes que a obra chegasse ao fim, Deus frustrou os seus planos (soberania divina).

 

_ Embora Jacó fosse o filho a quem Deus prometeu a herança, Isaque tentou reverter o decreto de Deus (livre-abítrio) e dar a bênção a Esaú, mas, os seus esforços não valeram de nada (soberania divina).

 

_ Os irmãos de José resolveram destruí-lo (livre-arbítrio), mas os seus planos foram frustrados (soberania divina).

 

_ Faraó recusou-se a deixar que o povo de Israel cumprisse as instruções do Senhor não o deixando sair do Egipto (livre-arbítrio), Deus frustrou o desejo de Faraó (soberania divina).

 

_ Balaque pagou a Balaão para amaldiçoar os israelitas (livre-arbítrio), porém, Deus compeliu Balaão a abençoa-los (soberania divina).

 

_ Hamã erigiu uma forca para Mordecai (livre-arbítrio), mas foi o próprio Hamã que foi enforcado nela (soberania divina).

 

_ Jonas resistiu  e fugiu à vontade de Deus (livre-arbítrio), mas, o que é que aconteceu? _ Soberania divina!

 

Ok! Podes enfurecer-te ou imaginar coisas vãs, mas isso jamais perturbará os desígnios de Deus.  A rebeldia das suas criaturas não tem qualquer poder para perturbar os Seus decretos. Ele é o Oleiro, nós o barro. Este é o Deus da Bíblia! Adora-O.

 

imagesS4NALUHZ.jpg